terça-feira, 26 de abril de 2011

Pronto Para Mudar

Direção: Janaína Leite e Juliana Sanches (Grupo XIX)
Elenco: Mimi Bonnenfant, Michelle Gonçalves, Priscila Jácomo

foto: Ana Paula Lazari

Caixas espalhadas pelo palco. Esse foi o cenário visto por uma espiadela dada mais cedo pela condição de aluno com familiaridade com o local aonde espetáculo que iria se apresentar . Cheguei demasiadamente cedo, restava esperar e conversar casualidades com conhecidos e nem tão conhecidos que estavam no saguão assim como eu, aguardando.

Deu-se que a espera acabou contribuindo com o clima do espetáculo. A ansiedade gerada casava perfeitamente com o aquela situação de mudança. Quem já se mudou de casa sabe do que estou falando, é uma expectativa que mistura sensações nostálgicas sobre tudo que esta sendo deixado no local qual se parte e aquela esperança de renovação depositadas no lugar para o qual se vai.

Já se mudou alguma vez? Essa é uma pergunta que cabe ser respondida ao assistir Pronto Para Mudar, que teve um grande risco ao assumir a adaptação de um conto para o palco, se bem que viver já é um risco. “Carta a uma senhorita em paris” de Julio Cortázar foi a fonte de inspiração da obra. Pra mim, o resultado foi um espetáculo genial, que transita do realismo ao surrealismo sem perder sentido tal qual um sonho.

É isso que se materializa no palco: um sonho. Não sei se eu já tivesse lido o conto antes eu teria a mesma percepção do espetáculo, tenho apego às minhas impressões de leitura de textos escritos sem serem pensado para o palco. Com a dramaturgia é diferente, sempre que leio penso nas diversas possibilidades de dar vida aquele texto no palco e não me apego àquela primeira impressão.

Mas me pareceu que aquele texto, no palco, se tornou mais rico, mais denso. Se ler uma frase como “acontece que de quando em quando eu vomito um coelhinho” pode ser de algo completamente sem sentido (principalmente de forma aleatória como aqui nesse texto), a arte dramática consegue dar algum significado, sem explicar propriamente, mas imprimindo uma expressão que chega ao expectador de alguma forma.

Três atrizes dão conta de transportar os espectadores da platéia para o palco com uma conexão inexplicável. Talvez o olhar, talvez o sotaque envolvente daquela que atriz francesa, não sei. Somos pegos pela mão e colocados ali, naquele mundo, jogando junto e entrando naquela fantasia construída com caixas e fitas crepe colada ao chão. Aqui a palavra de ordem é aproximação elevada à décima primeira potência, e não distanciamento. Para a aflição dos admiradores de Brecht, para alegria dos que experimentam o teatro sem fórmula.

Ri muito perceber que algo ali se dirigia diretamente a mim. E fui pego de surpresa, ingênuo. Mas não fui o único. Como foi bom esse riso, tal qual o arrepio ou a constatação de que o Teatro ainda é capaz de surpreender, de forma que jamais um filme ou outro evento faria.

Pronto para mudar
Quando: de 7/5 a 29/5
Onde : Centro Cultural São Paulo | Rua Vergueiro, 100 | Paraíso, São Paulo-SP
Ingressos: R$ 20,00

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atormenta aí!