quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Batatinha quando nasce, espalha a rama pelo chão

Leia de novo o título. O que ele significa, Ronnie? Existem diversas maneiras de ler esse título assim como existem muitas maneiras de se ler as falas de um personagem. É uma questão de entonação, inflexão e etc.

Ou seja, mesmo com um texto pronto, o ator pode ter um trabalho criativo na maneira de estudar e trabalhar aquele texto. Não tínhamos muito essa consciência no semestre anterior, talvez o peso de fazer Tchekov além da nossa inexperiência tenha nos limitado a seguir rubricas e marcações da orientadora.

Mas não vou falar da aula da batatinha mais!


Vamos falar de coisa boa, amiga dona de casa?

Vou falar do grupo de estudos das quartas-feiras. Mas explico a mudança abrupta de assunto, porque ela justamente não muda o assunto na verdade. O parágrafo anterior é fruto de uma das inúmeras reflexões que me ocorrem graças a esse grupo que foi reafirmada durante a aula. Ontem um dos assuntos do grupo coincidiu com o da aula. Falamos um pouco de possibilidades do texto, claro que não falamos de entonação especificamente, mas de intenções que ajudam na construção de personagem e de estudo de texto. Uma nerdice sem tamanho, né?

A ideia do grupo é ler obras que auxiliem no nosso desenvolvimento e comentá-las traçando paralelos com nossas insignificantes experiências. Escolhemos “A Preparação do Ator” de Constantin Stanislavski como nosso primeiro objeto de estudo e já fizemos dois encontros e a leitura de quatro capítulos.

E isso tem sido extremamente proveitoso, por vários motivos: mostra que fazemos o que gostamos, pois não é uma hora enfadonha do nosso dia; ajuda a identificar pontos que ainda precisamos trabalhar e nos dá sugestões de caminhos que podemos experimentar; compartilhamos o entendimento do texto, o que é completamente diferente de ler sozinho. Sem contar a força que ganhamos como um grupo, que fica mais unido.

A vontade de postar aqui continuamente, por exemplo, vem da forte inspiração do livro e do grupo. Pra quem não sabe, esse livro é o diário das aulas do Konstantin escrito ainda quando ele não era O Stanislavski. Preciso, na verdade, tentar organizar as ideias para não pesar muito no tamanho dos posts e nem começar a escrever com um tema e terminar com outro.

Que foi o que acabou de acontecer com esse texto. Assim como mudamos os rumos da batatinha recitando esses versos de diversas maneiras diferentes testando grifos e entonações. Aliás, se esses versos foram a minha inspiração para o início do texto, mudar de assunto era uma obrigação. Porque, afinal de contas, alguém me explica o que tem a ver do fato da batatinha espalhar a rama pelo chão quando nasce com a tal da menina que põe a mão no coração quando dorme? Seria o mesmo que dizer: Avião quando decola / Faz barulho de montão / Chef quando cozinha / Lava a pia com sabão.

(Tá, parei!)

Um comentário:

  1. Que inveja branca! espero ter a oportundade de estudar capítulo por capítulo do titio Stany!!!

    ResponderExcluir

Atormenta aí!