domingo, 28 de novembro de 2010

Pensa que é o que?

O que você pensa que é, meu corpo? Como assim “meu corpo”? Como assim “pensa”? E corpo lá pensa por acaso?

Pois o meu corpo pensa separado do meu cérebro. E eu penso no meu corpo desde que conheci a Mel. Você sabe o que é Nanaiera? Não?! Mas o meu corpo sabe, a Mel sabe, e eu sei.

A Mel é minha professora de expressão corporal, como se expressão fosse algo que se ensinasse.

Escutar, sentir, deixar fluir, perceber, sustentar, estar presente, ser presente, não perder, se influenciar, influenciar os outros, tocar, pesar, correr, focar, transitar...

Ah! De tantas formas meu corpo tem expressado seus pensamentos que não cabem mais palavras. Se precisasse relatar o que foram as aula de expressão corporal até hoje, eu diria que elas foram um exercício constante de reflexão corporal de um corpo que eu nem sabia que pensava, mas pensa.

Um comentário:

Atormenta aí!