quarta-feira, 26 de maio de 2010

O dia que eu faltei

Foi com muito custo, mas eu precisei faltar às aulas para atender demandas de resquícios da faculdade concluída no ano passado, para batalharmos a publicação do nosso livro. A causa foi nobre. E diferente de qualquer experiência que já tive desse tipo antes em outros cursos da minha vida, faltar a uma aula da Fundação das Artes me deixou muito incomodado.E não pelo fato de estar perdendo conteúdo, mas pelo fato de não estar lá.
 
Já cheguei a ouvir de velhos amigos que na faculdade eu era mais legal, porque eu matava algumas aulas. Acontece que na faculdade havia esse desejo e mais, haviam professores que não mereciam mesmo atenção. Isso até hoje não me aconteceu durante o curso de Teatro.

Aproveitei a minha ausência para bolar uma brincadeira com a ajuda da Patricia: plantei a notícia de que eu trancaria o curso. Precisei desmentir tudo no dia seguinte, e no próprio dia recebi torpedos SMS e mensagens de alguns colegas que se preocuparam.

Ainda não comentei por aqui no blog, mas ao longo desse semestre três pessoas já abandonaram o barco, cada um por uma razão específica, mas nunca vemos isso como algo triste.

Tenho vários assuntos para trazer aqui, peço desculpas pela falta de atualização. Por mais que esse blog seja despretensioso, reconheço valor das memórias que aqui se registram para o futuro.

No mais, prova tripla vem aí, mas depois eu explico.

Um comentário:

Atormenta aí!